História dos KPIs: afinal, como os indicadores surgiram?

Basta um olhar atento para a rotina de gestão de uma empresa para eles surgirem. Os chamados KPIs, ou indicadores chave de desempenho, estão cada vez mais presentes na rotina das lideranças e também de seus liderados. Afinal, mensurar as entregas e validar estratégias com base no resultado que se deseja é imprescindível para a criação de ações assertivas.

Mas afinal, qual a história dos KPIs? Como este conceito surgiu e o que tornou ele tão importante para os negócios? Confira os detalhes dessa história neste post especial que preparamos!

 

Recente? Nem tanto! A história dos KPIs é longa!

O termo KPI, hoje já bastante comum nos negócios, surgiu da alcunha em inglês key performance indicator, ou indicadores chave de desempenho. Se engana, porém, quem pensa que esse conceito é recente: ele existe desde a década de 1990 e tem se popularizado desde então.

A história dos KPIs surgiu em um momento de transição da economia, levando em consideração um cenário onde a tecnologia se tornava mais acessível e a produtividade não era o único foco dos negócios. Com a automação cada vez mais presente, muitas empresas começaram a entender que não bastava produzir muito, mas sim produzir com qualidade.

Assim, algumas métricas para medir a produtividade para além da quantidade, começaram a se popularizar. É possível identificar, com estas métricas, por exemplo, os indicadores logísticos mais relevantes para o seu negócio. Ou seja: os KPIs também se tornaram uma ferramenta estratégica para a área de logística, a fim de garantir a saúde financeira do negócio, preservando a entrega ao cliente com qualidade.

Não se sabe ao certo quem cunhou o termo KPI, mas sabemos que ele surgiu em meio a diversos movimentos empresariais que focavam na competitividade e no uso racional dos recursos para o melhor resultados das empresas.

Assim, os indicadores chave de desempenho chegaram para ajudar os gestores a definirem métricas que se adequam ao seu negócio e ajudam a medir se o trabalho tem sido lucrativo e assertivo.

Portanto, o KPI surge como um método de avaliação do desempenho de uma empresa, através de alguns pontos relacionados à sua atuação. Essas métricas que compõem os KPIs proporcionam visibilidade sobre o negócio que vai muito além do “quanto produzimos” ou “quantas horas trabalhamos”.

 

Meta X Métrica X KPI

Não obstante, muitos gestores ainda utilizam os termos meta, métrica e KPIs como sinônimos. Vamos aproveitar este post para esclarecer que, apesar de estarem ligados ao desempenho da empresa, cada um dos termos designa situações diferentes.

A meta é, basicamente, aquilo que se deseja alcançar no negócio. É o resultado a que se pretende chegar, em determinado espaço de tempo. A sua meta do ano pode ser, por exemplo, ter 20% das vendas realizadas através do e-commerce da sua indústria, reduzir em 10% as despesas de logística ou aumentar sua carteira de clientes em 15%.

Já uma métrica diz respeito ao dado escolhido para mensurar as entregas realizadas pela empresa. Ela está diretamente ligada ao KPI porque é, basicamente, o dado usado para avaliar determinada ação.

Uma métrica pode ser, por exemplo, o volume de entregas em determinado período, o volume de vendas em determinada plataforma ou a quantidade de pedidos processados por hora.

Por fim, o KPI é a junção da meta e da métrica em uma estratégia que inclui o acompanhamento frequente das atividades. Por exemplo: se sua empresa tem a meta de crescer 20%, precisa definir quais métricas serão acompanhadas que irão compor seus KPIs. Já os indicadores chave de performance serão o resultado dessas métricas acompanhadas em determinado período.

E junto aos KPIs, sua empresa deve criar novas ações para otimizar o desempenho do negócio. É, portanto, o KPI que vai auxiliar a liderança a acompanhar os resultados e definir, com propriedade, as iniciativas que podem ser feitas.

 

Quais os KPIs mais comuns e por que devo acompanhá-los?

No caso da logística, os KPIs surgem como uma ferramenta crucial para mensurar o desempenho da distribuição. É através dos resultados analisados nos KPIs que a empresa pode atuar na melhoria de processos com assertividade.

Alguns KPIs comuns na logística são:

  • Percentual de entregas no prazo;
  • Custo de transporte dos pedidos;
  • Volume de devoluções;
  • Total de entregas perfeitas (aquelas realizadas no tempo definido com o cliente, no menor custo e sem intercorrências).

Acompanhar estes KPIs na sua operação logística não só proporciona uma visão clara das ações da empresa como auxilia na identificação de gargalos que podem comprometer o crescimento e o desempenho da operação em médio e longo prazos.

Os indicadores de desempenho ou KPIs, portanto, apesar de não serem um conceito novo, são fundamentais para a otimização dos negócios. São cada vez mais necessários para uma gestão estratégica e devem ser definidos de forma que estejam interligados com a meta da empresa.

No seu negócio, quais KPIs são mensurados? Estes indicadores são analisados com a frequência necessária ou ainda não fazem parte da sua rotina?

CTA Chama no Whatsapp Amarelo

Já conhece nosso Podcast? Vem tomar um café com a gente!​

comentários comentários

Recomendamos para você:

Visibilidade da distribuição: essencial para o gestor de entregas

Gerenciar entregas com monitoramento em tempo real já é uma possibilidade. Essa visibilidade da...

4 razões para realizar a auditoria de fretes e faturas

Você sabia que a auditoria de fretes e faturas é uma das iniciativas mais importantes para o...

Gere mais vendas criando campanhas de frete variadas no seu e-commerce

Para cada tipo de venda, um tipo diferente de frete. Se você sempre sonhou com essa possibilidade,...
INFOGRAFICO

Receba os melhores conteúdos sobre logística e ​otimize a gestão da sua empresa